Um amor que despertou outro amor

Antes eu era uma fã obstinada por câmeras digitais, mas nesse ano fui inserida no mundo da fotografia analógica e estou amando isso!

Há algum tempo atrás, em dezembro do ano passado, meu namorado, que tinha começado a gostar de fotografia analógica alguns meses atrás, estava compartilhando comigo os desafios desse estilo fotográfico. E eu, como uma boa fã obstinada por câmeras digitais (point-and-shoot), simplesmente levantei a sobrancelha e respondi de forma trivial: “Não é só apertar o botão do obturador e tirar uma foto? O que é tão difícil nisso?”

Então o pobre namorado passou os 20 minutos seguintes tentando me explicar os dificuldades da fotografia analógica e que grandes fotos não são tiradas com um mero apertar de botão. Sabendo o quão teimosa eu poderia ser, resolveu desistir naquele dia. Sua paixão pela arte analógica continuou a crescer dia após dia, eu o via procurando por artigos sobre fotografia na internet.

No feriado de dezembro, saímos com um monte de amigos e ele trouxe sua nova bebê, uma Yashica Electro 35. Eu, é claro, trouxe minha verdadeira companheira: uma sedutora, suave e dotada de um vermelho meio pimenta Canon, que eu tinha comprado há uns meses atrás. Ao longo da viagem, eu o via fotografando. Ele tirava fotos dos objetos mais comuns, uma flor num arbusto, uma placa ao sol, eu não tirava. Eu era perfeitamente feliz com as capacidades do temporizador da minha câmera, que permitia que nosso grupo tirasse as fotos mais incríveis de todas, nas dunas de areia que visitamos (estávamos no Vietnã).

Quando chegamos em casa, ele revelou as fotos que tinha tirado e eu tive que engolir tudo o que eu disse. Talvez para os profissionais lá fora, as fotos que ele tirou fossem normais, sem nada de extraordinário, nada de especial. Mas eu fiquei completamente surpresa. Eu não estava lá quando ele tirou a foto daquele letreiro feio? Ali estava ele, capturado numa fotografia, com radiantes raios de luz do Sol que se derramavam de forma linda sobre o metal que refletia um tom brilhante e reluzente. As outras fotografias da viagem ficaram maravilhosas e a partir daquele momento, a fotografia analógica me ganhou.

Só consegui minha própria câmera analógica mais tarde quando meu namorado me fez uma surpresa no Dia dos Namorados. Essa câmera sem frescuras era perfeita pra mim, uma boba que achava sua Yashica incompreensível mesmo depois de cinco meses de uso. Preciso dizer que tive muita diversão com essa câmera! Palavras não podem expressar a alegria e expectativa que eu sinto quando envio meus filmes para serem revelados. Nós viajamos outra vez no fim de fevereiro, dessa vez para Bangkok e eu a trouxe comigo. Bom, a Canon veio também, mas dessa vez, a pequena vermelha foi banida pra minha mochila até o pôr-do-sol (já que minha outra câmera não pode tirar fotos à noite). Já faz quase dois meses que minha primeira câmera analógica e agora eu mal posso esperar para explorar outras câmeras (construí minha própria Recesky recentemente e tem uma Olympus Trip a caminho!)

Não tenho como agradecer meu namorado por me trazer para o mundo da fotografia analógica! Aqui estão algumas fotos pra vocês! Continuo sendo uma novata, mas espero que eu melhore com o tempo!

escrito por fumu no dia 2012-05-07 em #estilo de vida #lentes-super-grandes #bangkok #feriado #novato #cameras-analogicas
traduzido por ilikephoto

Mais Artigos Interessantes

  • Cinematógrafo Michal Dabal sobre a Lente Petzval

    written by lomographymagazine on 2016-01-11 in #people #lifestyle #videos
    Cinematógrafo Michal Dabal sobre a Lente Petzval

    Aqui está o que acontece antes de nós entrevistarmos um fotógrafo. Nós falamos sobre o seu trabalho, mesmo que temos que saber quais câmeras e processos estão por trás da brilhante composição ou da arquitetura de luz. E mesmo quando eles não usaram uma câmera da Lomo, nós os apresentamos de qualquer jeito. Mas de vez em quando, chega um profissional que usa uma das nossas lentes inéditas no trabalho e as nossas câmeras divertidas fora do trabalho. Isso nos deixa muito feliz, ainda mais quando as suas imagens são boas e merecem ser compartilhadas. Nos contamos o trabalho do cinematógrafo Michal Dabal entre um desses.

  • O Mundo de Acordo com Herr Willie: Brasília

    written by wil6ka on 2015-07-14 in #world #locations
    O Mundo de Acordo com Herr Willie: Brasília

    É uma utopia moderna, única no mundo: Brasília. A capital desse maravilhoso Brasil é o sonho de qualquer aficionado por arquitetura, a obra prima de Oscar Niemeyer. O arquiteto que criou a ilusão de uma vida melhor e que levou Brasília a ser declarada a Patrimônio Mundial da UNESCO em 1987. Isso é uma homenagem a linhas, curvas e ousadia.

  • A Beleza duradoura das Lanchonetes Americanas

    written by Lorraine Healy on 2015-12-16 in #world #locations
    A Beleza duradoura das Lanchonetes Americanas

    Uma escritora e fotógrafa argentina, morando no Noroeste Pacífico (dos Estados Unidos), Lorraine Healy, é á muito tempo fã de câmeras de plástico e é a escritora do livro "Tricks With A Plastic Wonder" ("Truques com um Milagre de Plástico), um manual para alcançar resultados melhores com a Holga, disponível como um eBook do Amazon.com. Nesse artigo, Healy compartilha seu amor pelas lanchonetes vintage americanas (Diners) e os vários anos fotografando elas.

  • Uma Redação em Vídeo Sobre Porque Nós Tiramos Fotos

    escrito por lomographymagazine no dia 2016-02-09 em #mundo #estilo de vida #vídeos
    Uma Redação em Vídeo Sobre Porque Nós Tiramos Fotos

    Uma maravilha como uma câmera, algo que vai entre o fotógrafo e um sujeito, não forma barreira, mas uma maneira de se conectar. Joe Aguirre nos leva através dos porquês em um novo filme por Jonas Normann.

  • Impressões Clorofilas por Binh Danh: Uma Entrevista

    escrito por lomographymagazine no dia 2016-02-03 em #pessoas #estilo de vida
    Impressões Clorofilas por Binh Danh: Uma Entrevista

    No trabalho de Binh Danh, a arte é o espaço para os sem nomes, serem vistos. Quando a guerra é o tema de cada detalhe conta. Como é que uma pessoa resolve esta questão enorme, onde a morte e o valor de vidas se cruzam? Um trabalho de um homem só se torna em uma tarefa sobre outros homens. E assim por sua série "Immortality: The Remnants of the Vietnam and American War" ele fez cópias de clorofila para expressar a marca indelével da guerra em várias terras. Soldados e leigos, cujos rostos e registros foram arquivados são dadas outra chance de ser lembrado.

  • A Chamada da Lomo’Instant Wide "Compartilhe a Novidade"

    written by Lomography on 2015-10-21 in #gear #competitions #videos
    A Chamada da Lomo’Instant Wide "Compartilhe a Novidade"

    Se você passou a ultima semana em Neptuno (pera aí, como é que você chegou lá?) você talvez não tenha ouvido falar – A nova Lomo’Instant Wide chegou! Pré-encomendas estão no ar para a câmera instantânea e sistema de lentes mais criativos do mundo e nós decidimos lançar uma competição para deixar tudo um pouco mais interessante e divertido.

  • As Visões de Klara Johanna Michel capturadas com a Lomo'Instant Wide

    written by lomographymagazine on 2016-01-11 in #people #lomoamigos
    As Visões de Klara Johanna Michel capturadas com a Lomo'Instant Wide

    Influenciada pelo trabalho de Caravaggio, a fotógrafa de Berlin Klara Johanna Michel pinta fotos à mão, que fazem lembrar a arte da Renascença. As imagens são altamente estilizadas e os sujeitos posam para imitar a aparência de seres religiosos. Quem diria que tanto mistério e um charme de um mundo antigo poderiam ser realizados com a ajuda de uma câmera instantânea?

  • Si Mesma para o Mundo: A Fotografia de Leanne Surfleet

    written by lomographymagazine on 2015-11-24 in #people #lifestyle
    Si Mesma para o Mundo: A Fotografia de Leanne Surfleet

    Um autorretrato pode se enraizar em segurança, extrema timidez ou uma explosão alternativa dos dois. Leanne Surfleet passa por essa flutuação quando a câmera é tudo que da pra se ver. A atracão —o que nos diz a respeito— é uma mistura de incerteza e tipo de postura calma. E de vez em quando um pedaço de pele que é mais um mistério do que uma revelação completa. Até os retratos que Sufleet faz de outras pessoas tem o mesmo convite sussurrado, como se fosse para dizer que perguntas são bem-vindas. Daí nós tomamos a nossa sugestão.

  • Lições de Fotografia Vintage: Liderando o Olho

    escrito por lomographymagazine no dia 2016-02-12 em #mundo #estilo de vida
    Lições de Fotografia Vintage:  Liderando o Olho

    O Vintage não tem que ser velho e esquecido. Estas amostras de arquivo servem como memorandos para onde direcionar o olho e como criar profundidade em uma imagem.

  • Petzval Amigo Xavier Boldú

    escrito por hannah_brown no dia 2016-02-08 em #mundo #lomoamigos
    Petzval Amigo Xavier Boldú

    Xavier Boldú é um fotógrafo morando em Londres que conseguiu capturar perfeitamente o potencial inteiro da lente Petzval 85 através dos seus lindos retratos. Ele compartilha algumas das suas imagens favoritas e fala sobre sua paixão por essa Bokeh Art Lens.

  • Modos Instantâneas de Pintar A Noite

    escrito por lomographymagazine no dia 2016-02-08 em #equipamento #estilo de vida
    Modos Instantâneas de Pintar A Noite

    A Lomo'Instant Marrakesh, o nosso equipamento romântico, nos deixou pensando em noites de fevereiro. E o que combina mais com um encontro a meia-noite e fotografia instantânea do que pinceladas ousadas de luz? Então essa é a nossa missão noturna, de fazer pinturas com luz brilharem com anedotas pessoais.

  • Primeiras Impressões da New Jupiter 3+ Art Lens: Kieko

    written by Lomography on 2016-02-03 in #gear #lifestyle #reviews
    Primeiras Impressões da New Jupiter 3+ Art Lens: Kieko

    Aqui está o bate-papo com Kieko, uma fotógrafa feliz de Tóquio. Ela fala da sua experiencia com a New Jupiter 3+ Art Lens e compartilha algumas das suas fotos.