A Vida Secreta de um Fotógrafo (de moda): Eduardo Acierno

2017-03-02

Já imaginou como é um dia típico na vida de um fotógrafo? Nós vamos te dar mais percepção sobre a vida de Eduardo Acierno, um fotógrafo de moda que mora no México ensolarado. Aproveite as fotos cheia de vida, feitas exclusivamente para o mais novo segmento na nossa Magazine.

Quando eu foi perguntado pela equipe da Lomography para enviar 5 fotos documentando “a vida secreta de um fotógrafo de moda”, eu pensei instantaneamente: “Pff, eu venho ducomentando a minha vida há anos em um diário visual, isso vai ser fácil. Enquanto eu me aventurei em todos os lugares com a minha câmera nas mãos eu comecei a pensar mais em como a minha "vida" fora da indústria da moda era, tudo que eu fiz, todos os lugares que eu fui, eles eram todos extremamente comuns. Fiquei pensando que eu iria eventualmente descobrir algo que eu fiz que estava fora do comum, mas eu estava errado.

© Eduardo Acierno

Sempre quando eu não estou trabalhando em um set ou em um local com lindas modelos e indo para festas chiques com pessoas da indústria, eu sou um cara comum de 21 anos que ainda está tentando entender a vida. Assim que eu aceitei o fato, da minha vida não ser secreta ou especial como eu pensava que era, eu decidi continuar com os meus planos da semana e levar a minha câmera comigo. Aqui está a minha seleção de um filme com 36 poses que eu fotografei em 30 dias da minha vida em México City. Eu moro em um estúdio ensolarado no sul da cidade, onde a grama é um pouco mais verde e o ar um pouco mais limpo. Eu durmo debaixo de luzes vermelhas de neon e espero os primeiros raios de sol aparecerem através das minhas cortinas para começar um novo dia.

© Eduardo Acierno

Às vezes eu fico acordado de noite, ansioso pelo resto da minha semana, será que eu vou ter dinheiro para pagar o aluguel mês que vem? Será que eu estou reservando trabalhos o suficiente, para o meu trabalho circular? Será que eu estou ficando para trás com os meus estudos? Milhões de pensamentos invadem a minha cabeça e me enchem de medo do desconhecido, eu estou aprendendo devagar, a aceitas as coisas como elas são e mudar tudo que eu não posso aceitar. Eu tenho um gato chamado Veruca, eu resgatei ela um ano atrás e eu não sei o que seria da minha vida sem esse bolinho de pelo cheio de amor me esperando em casa. Não importa que dia ou que hora, eu sempre posso contar com Veruca para me cumprimentar na porta quando eu chegar em casa.

© Eduardo Acierno

Eu comecei a transformar o meu quarto em um lugar que eu possa chamar casa, muitas lembranças de viagens passadas, presentes de amigos e arte do exterior nas paredes brancas que formam o meu quarto.

© Eduardo Acierno

Às vezes, o meu quarto se transforma em um provador para ensaios.

© Eduardo Acierno

A maioria das pessoas gostam de sair pra balada entre a semana, mas eu quase não tenho tempo pra comer direito em um dia ocupado, casualmente eu só como um pacote de miojo e bebo um vinho barato, como eu passo o meu tempo trancado no meu “espaço de trabalho”, também conhecido como a minha cama, editado milhões de fotos.

© Eduardo Acierno

Sempre quando eu não sou um fotógrafo de moda, eu sou um aluno me formando em engenharia mecânica. Isso mesmo, eu tenho uma vida secreta de 4 horas por dia, em qual eu passo o meu tempo vestido em uma bata de laboratório testando motores e circuitos elétricos. Infelizmente, oito anos de experiência na indústria da moda me ensinaram como nós somos substituíveis na indústria de moda como um artista freelance, isso me forçou a passar 4 anos da minha vida me formando em algo que eu não é a minha paixão, mas eu sei, que isso vai me ajudar a tomar conta da minha vida.

© Eduardo Acierno

Às quartas eu não trabalho, este é o único dia da semana em qual eu não tenho que ser um fotógrafo ou um engenheiro, então eu tento aproveitar o máximo dessas 24 horas sagradas, fazendo o que eu mais amo, passear pela cidade.

© Eduardo Acierno

Morar em uma cidade grande, pode ser bem solitário, as pessoas sempre estão trabalhando ou fazendo alguma coisa para ganhar a vida, ninguém tem tempo pra nada, é por isso que eu passo o meu tempo livre andando pela cidade, visitando lugares isolados (e às vezes esquecidos). São museus ou parques de diversão ou shoppings vazios ou jardins botânicos, eu gosto da solidão às vezes nesta bagunça de selva de concreto, é o único tempo da semana em qual eu posso passear livremente, escutando as minhas músicas preferidas, capturando coisas com a minha câmera e perseguir luzes até o sol se pôr e for hora de pegar o trem de volta pra casa.

© Eduardo Acierno

Isto é uma das coisas incríveis de morar em uma cidade grande, sempre tem algo acontecendo, visitar um amigo, uma festa, um show, você não precisa procurar muito até achar um lugar para beber umas e dançar até o sol nascer. Os meus finais de semana são cheios de luzes neon, ácido e música ao vivo, as vezes misturados com aventuras selvagens com amigos e noites intermináveis com amantes, eu tento aproveitar o máximo desses 3 dias onde eu posso esquecer qualquer responsabilidade que eu tenha e deixar a noite me surpreender.

© Eduardo Acierno

Dando uma olhada nestas fotos, eu tento me convencer que a minha vida deveria ser mais interessante, eu sei que eu deixei muitas coisas de fora, mas é isso mesmo. Não dá pra viver uma rotina, de alguma forma isso vai te encher de tédio e resultar em um tipo de depressão. Talvez em um outro tempo, teria dado pra mim tirar fotos de mim mesmo na praia lá em casa, no litoral do México, ou viajar paras montanhas para tomar ácido com os meus melhores amigos, mas isso é só uma vislumbre do meu dia-a-dia, e eu estou tentando aproveitar o máximo.


Todas as fotos neste artigo foram usadas com a permissão de Eduardo Acierno. Se você quiser ver mais do seu trabalho, siga o Eduardo no Instagram e dê uma olhada no seu site.

escrito por Ivana Džamić no dia 2017-03-02 em #pessoas

Mais Artigos Interessantes