A Magia da Fotografia Analógica: Uma Entrevista com Auður Ómarsdóttir

2017-06-01

Auður Ómarsdóttir é uma fotógrafa islandesa que se fascinou com fotografia desde que era uma menininha. A fotógrafa se foca em capturar a vida cotidiana, mas ela sempre está em busca de lugares e pessoas inspiradoras ao longo do caminho. Nesta entrevista, ela revela o que a mais inspira na sua cidade nata e explica por que o seu maior desafio até agora foi de entregar um sentimento puro de poesia ao filme.

Oi, Auður! Seja bem-vinda a Lomography Magazine! Em quais projetos interessantes você está trabalhando no momento?

Oi, Lomography Magazine! No momento, a minha exibição Situations no Museu de Fotografia de Reykjavík está acabando (dia 30 de maio). Lá eu instalei uma colagem das minhas próprias fotografias com outras fotos que eu encontrei que não foram revelados, mas os filmes já tinham sido expostos de vários lugares do mundo. Agora em seguinte, eu vou participar de um show em um grupo no dia 10 de junho no Museu de Arte de Akureyri, na Islândia. Eu vou mostrar pinturas e uma escultura. Eu vim trabalhando em vários projetos de fotografia recentemente, mas agora eu comecei a trabalhar com novas esculturas e conceitos para a minha próxima exposição que ainda precisa de um lugar.

O seu trabalho é muito versátil e a sua arte se estende sobre as áreas não só da fotografia, mas também pintura, escultura e filme. Como você consegue se dedicar e suceder em cada uma dessas áreas?

Eu preciso da variedade para me manter dedicada, eu amo fazer de tudo. Eu faço ciclos, como um marinheiro, navegando navios diferentes, porém no mesmo oceano. Para mim, é tudo a mesma coisa. Só são modos diferentes de como alcançar o que eu quero, como se escultura fosse pesca de rede e fotografia fosse pesca com anzol. Eu adoro ter a oportunidade de mostrar a mistura do meu trabalho em uma exposição. É a minha paixão. E filme combina com isso também, é tudo o mesmo barco remando ao mesmo tempo.

Você mora e trabalha em Reykjavík. O que mais te inspira nesta cidade?

No momento eu tenho que dizer que a minha maior inspiração vem no grande nível de energia da sociedade islandesa. A Islândia foi à falência em 2008, mas agora, quase 10 anos passaram e nós estamos construindo hotéis em todos os cantos, abrindo Costco e fazendo programas de televisão sobre casas chiques. Eu já estava grata de ter feito parte de dois mundos diferentes, a geração pré e pós a internet. Agora, morando em uma época definida pela quantidade de mídia excessivamente estimulante, crescimento exponencial de informação e o rápido desenvolvimento da tecnologia.

Mas, morar na Islândia é outra coisa acima disso tudo, o país é tão bipolar como o seu tempo. Uma boa metáfora seria o pescador que ganha na loteria e gasta todo o dinheiro com cocaína e correntes de ouro mas continua ganhando porque ele é um Viking idiota bonito e um baita viciado no trabalho com Alzheimer. Isso é Islândia. É tão ingênuo e fofo. O meu hobby é andar de carro a noite por áreas de construção. Eu amo quando objetos são abandonados e pessoas não sabem o que fazer com eles, é tão humano. Eu sou uma colecionadora e uma neófila, então eu me identifico com esses objetos e os seus ex-donos.

Como a fotografia se tornou parte da sua vida? Quais artistas influenciaram o seu estilo fotográfico e a sua carreira em gênero?

O meu pai tinha um trabalho na área da fotografia quando eu era criança. Eu tinha acesso a todas as suas câmeras e também fazia vídeos na sua grande câmera de VHS. Eu fiz vários autorretratos, mesmo não podendo ver o resultado até bem mais tarde como o meu pai normalmente guardava os filmes e os revelava nas férias na Espanha. Eu acho que o meu estilo se formou bem cedo como criança, o que foi um modo muito instintivo da auto-descoberta.

As minhas fotos ainda são iguais hoje. Mais tarde eu fui pra escola de arte e aprendi as técnicas e acolhei todos os tipos de influencias. Cinema teve uma das maiores influências. Por exemplo, os filmes de David Lynch, Alejandro Jodorowsky, Emir Kusturica e Rainer Werner Fassbinder mudaram a minha vida.

Em 2016 você dirigiu um filme "Femme Castratrice". Você pode nos contar sobre este filme e a sua história por trás deste projeto?

Eu dirigi Femme Castratrice, um filme em três partes, que se trata da mulher como castradora. O projeto foi feito em uma colaboração com a atriz talentosa Snæfríður Ingvarsdóttir, que fez uma performance ao vivo na Academia de Artes da Islândia com o filme sendo projetado no fundo.

Qual é o seu processo criativo quando se trata de dirigir filmes? O que te traz inspiração?

A minha maior preocupação é transformar a mágica da fotografia em filmes, para manter uma certa tensão que é dominante na fotografia. Eu me fascino com as obscuridades do mundano. Os tesouros escondidos que são omnipresentes na nossa realidade. Às vezes eu deixo objetos ou palavras levarem o caminho e ver que descobertas eu encontro. Eu vou à uma caça tesouro e escuto o que outros têm a dizer, como uma mistura de procura deixar as coisas chegarem a você.

Quando há algo que me interessa, eu sinto que isso me traz a base para um roteiro ou uma pintura. Eu sempre estou vendo e recebendo e eu acho que isso é uma parte do meu processo, ter grande confiança no meio-ambiente. Também é importante para o meu processo de me livrar de tentar controlar tudo. O momento é muito importante pra mim, eu me sinto muito energética no set, quase como um meio para o tempo.

Qual é a parte mais difícil no processo de fazer um filme?

Eu tenho que dizer, o mais difícil é dar um sentimento de pura poesia ao filme. O filme pode ser tão exposto ao mesmo tempo e o processo da realização de um filme é tão meditado e planejado. A maior tarefa é o planejamento e realmente visualizar e dar vida as coisas na sua cabeça antes de começar a fotografar. O que é interessante para mim é que o momento nunca pode ser completamente visualizado antes. É algo um pouco difícil e eu amo o desafio.

Você conseguiu construir e manter um estilo de fotografia autentico. Que conselho você iria dar para alguém que acabou de começar a experimentar esta arte?

O meu conselho seria de entrar, voltar no tempo, por que você começou a tirar fotos? Como a sua arte era na sua infância, o seu meio-ambiente? As melhores faíscas da criatividade são aquelas que você não percebe imediatamente, mas que estão bem na sua frente. Todos têm uma história e a maior autenticidade vem de ser um pouco narcisista, para ser sincera. Eu sempre percebo como a minha arte é algo que sempre esteve comigo e que as influencias começam mais cedo do que você pensa. A tarefa é confiar em si mesmo, confiar nas suas ideias, confiar que você tem uma voz e simplesmente começar a fazer.

Podemos esperar mais projetos interessantes de você no futuro?

Com certeza!


Se você quiser ver mais do trabalho da Auður, dê uma olhada no seu site.

escrito por Ivana Džamić no dia 2017-06-01 em #pessoas

Mais Artigos Interessantes

  • Aventura analógica: Uma Entrevista com Lorenzo Scudiero

    escrito por Ivana Džamić no dia 2016-07-29 em #pessoas
    Aventura analógica: Uma Entrevista com Lorenzo Scudiero

    Este jovem artista chamou a nossa atenção com fotografias deslumbrantes que dão cor à vida ao nosso redor. Ele conseguiu mostrar uma mistura perfeita da natureza e sua harmonia com as pessoas. Seus retratos contam histórias de jovens em torno dele e lugares diferentes que ele visitou

    2016-07-29
  • Lugares & Pessoas Memoráveis: Uma Entrevista com Camilla Ferrari

    escrito por Ivana Džamić no dia 2017-03-28 em #pessoas
    Lugares & Pessoas Memoráveis: Uma Entrevista com Camilla Ferrari

    Camilla Ferrari primeiramente começou com a fotografia de paisagens e viagens, mas ela descobriu um mundo completamente novo da fotografia de rua. Ela sempre está em busca de lugares e pessoas inspirativas e a sua habilidade de capturar a sua essência é porque nós amamos o seu trabalho tanto assim.

    2017-03-28
  • Transformando Fotografia em Ativismo: Uma Entrevista com Steve Cagan

    escrito por Ivana Džamić no dia 2017-06-29 em #pessoas
    Transformando Fotografia em Ativismo: Uma Entrevista com Steve Cagan

    Nós podemos dizer com toda certeza, que *Steve Cagan* é um dos poucos fotógrafos que encontraram o seu objetivo na fotografia. Tudo começou quando ele era apenas um menino cercado por um grupo de pessoas criativas

    2017-06-29
  • Novidades do Shop

    Direto de Milão

    Direto de Milão

    Chegou alguém novo na cidade e há rumores de que ela é a solução sartorial aos seus desejos de fotografia instantânea. A nova Lomo’Instant Milano chegou! Seja corajoso, seja alto! A Milano Edition vem com um novo visual que certamente vai virar cabeças quando você tirar aqueles adoráveis snaps de tamanho de carteira . Canalize sua fashionista interior e comece a fotografar com esta nova adição à família crescente da Lomo'Instant. Pegue uma no Online Shop agora!

  • Primeiras Impressões com o Neptune Convertible Art Lens System: Guen Fiore

    escrito por lomosmarti no dia 2017-05-16 em #equipamento #pessoas
    Primeiras Impressões com o Neptune Convertible Art Lens System: Guen Fiore

    Guen Fiore é uma fotógrafa italiana que se especializou na fotografia criativa de retratos. Nós deixamos ela fotografar com a Neptune Convertible Art Lens num dia ensolarado em Roma.Vamos conhecer ela e ver a suas primeiras impressões do Neptune Convertible Lens System

  • Memórias que Duram para Sempre: Uma Entrevista com Jonathan Moore

    escrito por Ivana Džamić no dia 2017-05-16 em #pessoas
    Memórias que Duram para Sempre: Uma Entrevista com Jonathan Moore

    Jonathan Moore é um fotógrafo de Portland cujo trabalho se trata de capturar lindas paisagens e pessoas inspiradoras. Ele entrou no mundo da fotografia porque ele sempre foi fascinado por tipos diferentes de mídia artística.

  • Capturando o Momento Certo: Uma Entrevista com Sasha Guseynova

    escrito por Ivana Džamić no dia 2016-12-20 em #pessoas
    Capturando o Momento Certo: Uma Entrevista com Sasha Guseynova

    Nós tivemos a honra de ater um papo com Sasha Guseynova, uma jovem fotógrafa de Moscou, cujo lindo trabalho se trata de capturar a beleza do momento. Ela começou a explorar o mundo da fotografia sete anos atrás e desde então ela é incrível para capturar emoções. Nesta entrevista, Sasha compartilha o que ela pensa de beleza e revela porque todos os bons retratos são baseados em confiança.

    2016-12-20
  • Novidades do Shop

    Apresentando a Lomo'Instant Honolulu Edition

    Apresentando a Lomo'Instant Honolulu Edition

    Apresentando a adição mais legal para a nossa família criativa da fotografia instantânea—a Lomo'Instant Honolulu Edition ! Com a aparência super fresh com a sua paleta de cores limpas e seus detalhes de impressão de palmeiras, a nossa inspiração instantânea mais recente te leva para a cidade descontraída de Honolulu, Havaí. A brisa salgada do oceano, tiki bares exóticos, danças de hula atraentes e belas palmeiras, tudo esperando a sua criatividade ensolarada. Passe na nossa Loja Online ou em uma das nossas Lojas de Galeria em todo o mundo para obter a sua hoje!

  • Ferry Verheij: Um Contador de Histórias

    escrito por Ivana Džamić no dia 2016-07-29 em #pessoas
    Ferry Verheij: Um Contador de Histórias

    Pode ser dito que fotografia é mais do que apenas um clique na câmera, ela deixa os momentos, as pessoas e emoções viverem para sempre. Isso foi confirmado a nós por um fotógrafo excepcional holandês Ferry Verheij, cujo as fotos representam histórias de todas as pessoas e lugares que ele teve a chance de conhecer.

    2016-07-29
  • Sobre Beleza e Mulheres: Uma Entrevista com Jordan Bunniie

    escrito por Ciel Hernandez no dia 2016-11-08 em #pessoas
    Sobre Beleza e Mulheres: Uma Entrevista com Jordan Bunniie

    Em uma sociedade patriarcal, para tudo que mulheres estão lutando, principalmente os mesmos direitos, são vistos como radical; mas não desencorajadas por impressões. Se inspire com a fotografa americana *Jordan Bunniie* e como ela se tornou seu próprio ídolo com a sua arte e visão provocante.

    2016-11-08
  • Jordanna Kalman: Uma Questão de Memória

    escrito por Ciel Hernandez no dia 2017-02-28 em #pessoas
    Jordanna Kalman: Uma Questão de Memória

    O que são fotos, se pessoas queridas se transformam em estranhos nelas, se retratos se tornam relíquias incompletas de memória? A fotógrafa localizada em Nova Iorque, Jordanna Kalman revisita e desfaz as fotos que ela já tirou, arrancando cada memória fora da impressão.

    2017-02-28
  • Novidades do Shop

    O Bazar da Lomography

    O Bazar da Lomography

    Estamos sempre indo longe a busca, procuramos meticulosamente, caçamos e escolhemos às mãos, uns dos equipamentos mais experimental e alternativo por aí – e agora nós temos todos reunidos em uma categoria de loja fácil de navegar, prontos para a colheita! No Lomo-Bazar, você também pode fazer parte do nosso processo de recolha e coleção de novos produtos frescos, tesouros raros e criações de crowd-fundings para vender na loja – afinal, é tudo para você! "Entre em contato com a gente":https://docs.google.com/a/lomography.com/forms/d/13Tvg6uZN_4myQZYdHLhRjeQbdJ3po5dn_SQW3CYoy9E/viewform?c=0&w=1 para compartilhar as suas sugestões para produtos incríveis – vá em frente, estamos ouvindo!

  • Girl Power: Uma entrevista com Jessica M. Kirk (NSFW)

    escrito por Ivana Džamić no dia 2016-09-08 em #pessoas
    Girl Power: Uma entrevista com Jessica M. Kirk (NSFW)

    Jessica M. Kirk faz excelentes retratos nus de mulheres e enfatiza sua beleza com a combinação perfeita de humor leve e sonhador. Desde que ela descobriu a fotografia analógica, sua vida mudou e ela continua a nos surpreender com o seu trabalho.

    2016-09-08
  • Quebrando as Regras: Ume Entrevista com Camille Rouzaud

    escrito por Ivana Džamić no dia 2016-07-26 em #pessoas
    Quebrando as Regras: Ume Entrevista com Camille Rouzaud

    Camille Rouzard é uma fotógrafa única que ama capturar vidas de jovens e os transferir nas suas histórias. Ela acredita que paz é a ferramenta mais poderosa para criatividade e explica que viver de maneira autentica significa ser corajoso o suficiente para se arriscar.

    2016-07-26
  • Antártica Analógica: A Expedição de Johannes Huwe

    escrito por Ciel Hernandez no dia 2016-11-14 em #lugares
    Antártica Analógica: A Expedição de Johannes Huwe

    É impressionante como a fotografia permite pessoas a viajar sem sair dos seus lugares, mas o fotógrafo analógico da Alemanha Johannes Huwe se joga em aventuras analógicas e compartilha conosco a sua expedição a Antártica com a sua câmera de formato médio.

    2016-11-14