"Salve a Leoa Negra": Os Autorretratos de Zanele Muholi

2017-06-27

A conversa sobre racismo e sexismo continua, a narrativa ainda está sendo escrita enquanto o plano vai se complicando.

Fotógrafa Zanele Muholi faz o seu próprio papel de uma mulher negra e lésbica fazendo autorretratos experimentais na sua série "Somnyama Ngonyama"(Salve a Leoa Negra, 2015 – presente). É espirituoso, poderoso, cativante e emocionante como a série confronta os problemas que ela encarou e ainda encara como membro da comunidade LGBT na África do Sul.

Bester I, Mayotte, 2015, silver gelatin print. © Zanele Muholi. Courtesy of Stevenson, Cape Town/Johannesburg en Yancey Richardson, New York.

O trabalho é uma adição radical a sua obra, onde Muholi brinca com poses e iluminação dramáticas enquanto ela experimenta com vestuários e trajes diferentes, representando os múltiplos papeis que ela faz como uma mulher. Em preto e branco, Muholi propositalmente quis sublinhar seu ‘negrume’ e ao mesmo tempo ela brinca com valores tonais.

Seus outros trabalhos, como "Faces and Phases" (Rostos e Fases), outra série com foco no lesbianismo será apresentada.
Antecipe mais da sua fotografia no seu próximo show titular Zanele Muholi no Stedelijk Museum em Amsterdam, no dia 9 de julho.

Bester IV, Mayotte, 2015, silver gelatin print. © Zanele Muholi. Courtesy of Stevenson, Cape Town/Johannesburg en Yancey Richardson, New York.; Bester V, Mayotte, 2015, silver gelatin print. © Zanele Muholi. Courtesy of Stevenson, Cape Town/Johannesburg en Yancey Richardson, New York.; Faniswa, Seapoint, Cape Town, 2016, silver gelatin print. © Zanele Muholi. Courtesy of Stevenson, Cape Town/Johannesburg en Yancey Richardson, New York.; Yaya Mavundla, Parktown, Johannesburg, 2014, silver gelatin print. © Zanele Muholi. Courtesy of Stevenson, Cape Town/Johannesburg en Yancey Richardson, New York.

O show vai até o dia 15 de outubro.


Imagens foram retiradas do kit de impressa.

escrito por lomographymagazine no dia 2017-06-27 em #novidades

Mais Artigos Interessantes