Você tem uma conta? Login | Você é novo na Lomography? Cadastre-se | Lab | Site atual:

Conheçam a nossa LomoAmigo Especial Natal Cc-in-paris!

A nossa LomoAmigo Especial Natal Cc-in-paris acredita que "em fotografia, os Lomográfos são os que conseguem 'aquela' foto especial". Não concordam com ela?

Podes começar por nos falar um pouco sobre ti – talvez algo interessante que as pessoas desconheçam a teu respeito?
Chamo-me Carolina, sou Portuguesa, vivo em Paris mas em breve irei mudar-me para Nova Iorque. Fiz o meu doutoramento em genética e biologia celular (sou um verdadeiro ‘rato de laboratório’), em Paris, e obtive o grau de Doutor este ano (yeah!). Vou continuar a trabalhar como investigadora em Nova Iorque, a partir de Janeiro de 2012. A perspectiva desta mudança deixa-me entusiasmada e nervosa ao mesmo tempo!!

Há quanto tempo fazes Lomografia e como descobriste o movimento?
Olhando para trás, acho que desde sempre adorei maquinas fotográficas. Quando era pequena implorei aos meus pais que me oferecessem uma máquina fotográfica. Em vez de poder usar a Pentax ME super do meu pai, recebi uma Kodak Pocket Instamatic – uma máquina pequena que levava rolos de 110mm. Com ela disparei muitas fotos alegremente . Infelizmente perdi essa máquina. Quando tinha vinte e poucos anos juntei todas as minhas poupanças e comprei uma excelente Canon SLR, maquina que adoro e que me custa imenso ver hoje em dia à venda por preços muito baixos no Ebay. Confesso que às tantas optei por fazer fotografia digital. Mas entretanto acabei por perder um pouco o interesse por fotografia – talvez por causa da perfeição um tanto ao quanto aborrecida da fotografia digital, ou talvez pela falta de tempo livre que tive durante o meu doutoramento. Mas tudo mudou mais tarde…

Recebi uma Diana F+ quando fiz uma subscrição da revista Hipster. Foi bastante irónico. De imediato apaixonei-me peIa máquina e a promessa de fotos fantásticas e coloridas que se poderiam obter com esta. Mas depois de uma primeira experiência falhada + preços astronómicos da revelação do filme, deixei a Diana F+ na prateleira.

No Verão de 2010 peguei novamente na Diana F+ e desde então nunca mais a pousei! Após uma visita à loja Lomo, recebi muitas dicas úteis e a recomendação de um bom e barato laboratório fotográfico em Paris, e desde então comecei a fotografar com mais frequência e a ficar cada vez mais contente com os meus resultados. Quando finalmente acabei o meu Doutoramento, decidi criar a minha Lomohome … e desde então tem sido uma óptima aventura! Conheci muitos outros lomógrafos, quer pessoalmente, quer através da internet, fiz muitos novos amigos e tenho aprendido imenso! Uma das coisas que mais gosto na comunidade Lomográfica é a generosidade dos seus utilizadores. A maioria das pessoas estão dispostas a ajudar-te e dar-te dicas e tens acesso a muita informação preciosa!

Quais são os teus planos para estas férias de Natal?
Fazer malas. Passar tempo com a minha família e os meus amigos, despedir-me das pessoas. Ah, e comer quantidades absurdas de sobremesas de Natal.

Alguma resolução de Ano Novo para 2012?
O normal – beber menos, dormir mais, ser mais organizada e correr a maratona. Quanto à fotografia, gostava de aprender a técnica de fotografia pinhole , de começar a revelar os meus próprios filmes e de aprender a trabalhar em câmera escura.

Se tivesses de recomendar apenas um filme e uma musica, quais seriam as tuas escolhas?
Um filme e uma musica?!?!?! Apenas um?!? Isso é muito difícil! Ok, vou tentar. Já que apenas posso escolher um de cada, vou para os ‘pesos pesados’.

Se pudesse recomendar apenas um filme, suponho que teria de escolher o Melancolia de Lars von Trier. von Trier não é de todo um realizador fácil, os seus filmes são muito duros (quase saí a meio de O Anticristo), mas são sempre desafiantes. Ele faz-nos pensar, não tem receio de chocar ou insultar e desafia os limites. Tive o privilégio de assistir à estreia mundial de Melancolia no Festival de Cannes (às 8h30 da manhã ). O filme teve um grande impacto em mim. A fotografia é soberba, a musica (Wagner) faz toda a sala de cinema tremer (ou assim o parece) e apesar de a trama ser relativamente simples de seguir (para variar num filme de von Treir), ficamos a pensar no filme nos dias que se seguem. Ah, e a interpretação dos actores é simplesmente incrível. Isto tudo num filme de ficção cientifica, onde o planeta Melancolia se encontra em rota de colisão com a Terra – um filme que é tão de ficção cientifica que chega a incluir uma referência ao famoso duplo pôr do Sol de Tatooine. A estreia do filme ficou manchada pela conferência de imprensa nessa mesma tarde, onde Lars von Trier gracejou acerca de ser um Nazi – mas ninguém realmente percebeu que se tratava de uma piada e de qualquer forma já se esperava algo de escandaloso do comportamento deste realizador. Ficámos com um dissabor na boca e sem saber ao certo se deveríamos ter gostado tanto do filme. Revi o filme quando voltei a Paris e continuo a achar que se trata de um filme excelente. Quaisquer que sejam os demónios de von Trier, ele é um realizador brilhante. Talvez este não seja o meu filme favorito de 2011, mas foi sem duvida um que deixou uma impressão duradoira.

Passei uma grande parte de 2010 a trabalhar na minha tese de doutoramento e por isso não tive muito a par das novidades no mundo da musica desse ano. Foi durante 2011 que ouvi muitos dos grandes álbuns de 2010. Mas em vez de vos dizer o quanto adoro Sufjan Stevens ou os Arcade Fire, quero falar-vos de um álbum de 2011 que realmente me impressionou. A musica que vos recomendo é ‘Sadness is a blessing’ de Lykke Li. Sim, tenho noção que tanto o filme como a musica escolhidos são sobre depressão. E Stellan Skarsgård aparece em Melancolia e no videoclip da musica de Lykke Li, que também é brilhante. Talvez haja um tema subjacente nas minhas escolhas. A tristeza faz parte da vida, mas é importante que não nos deixemos consumir por esta. Gosto de perceber como as outras pessoas lidam com a tristeza. ‘Sadness is a blessing’ é uma musica lindíssima que me toca profundamente. E Lykke Li é uma artista muitíssimo talentosa. Adoro o ultimo álbum dela, ‘Wounded Rhymes’.

Qual é a tua máquina analógica favorita?
Que pergunta é que me vais fazer a sequir? De quem gosto mais, se da minha mãe ou se do meu pai? Posso responder-te dizendo qual a máquina que uso mais frequentemente. Levo sempre comigo a minha Lomo LC-A+, é compacta, pequena e de confiança. Tirei algumas das minhas melhores fotos com ela. Não conseguiria imaginar-me sem ela!

E que máquina gostarias de ter oportunidade de experimentar agora?
Esta é fácil: Horizon Perfekt.

Qual foi o momento mais especial deste ano para ti?
Bom, este ano foi um ano em cheio. Uma das minhas melhores recordações de 2011 foi quando descobri que tinha ganho o concurso ‘Mingling with the Stars’ e que iria ao Festival de Cinema de Cannes (merci Lomo!!!). Cinema é uma das minhas paixões e todos aos anos sigo atentamente o Festival de Cinema de Cannes, quando todos os grandes filmes do ano serão apresentados ao publico pela primeira vez. É então que se conhecem os filmes que de certeza vão dar muito que falar nesse ano… Quando descobri que este ano eu iria estar presente, fiquei tão excitada que não me consegui concentrar no trabalho durante dois dias. Assisti a estreia mundial de alguns dos melhores filmes deste ano. Foi praticamente um sonho tornado realidade.

E agora, a pergunta mais difícil – Qual foi a tua foto favorita deste ano que passou?
Estás a tentar dar cabo de mim?? Uma única foto? Todas as minhas fotos favoritas deste ano foram tiradas por outros fotógrafos. Mas vou assumir que queres saber qual é a minha foto favorita das que tirei este ano. Houve um rolo que me deixou muito feliz este ano. Tive uma ideia para fazer duplas exposições e acabou por resultar muito bem, ainda que não exactamente como eu tinha imaginado.

Nesta foto vemos uma rapariga nas rochas. Mas ela também está sob uma flor gigante, como se ela se tratasse de uma pequena fada. Adoro como podemos brincar com a película fotográfica. Para este álbum de duplas exposições tinha imaginado uma mistura entre a textura das flores e as texturas das rochas, mar e areia. Não esperava a fada Sininho e ela acabou por ser uma surpresa maravilhosa!

escrito por shhquiet e traduzido por anafaro

2 comentários

  1. cc-in-paris

    cc-in-paris

    muito obrigado à minha querida @anafaro por ter traduzido as minhas palavras tão maravilhosamente!!

    quase 3 anos atrás · reportar como spam
  2. anafaro

    anafaro

    Minha querida @cc-in-paris, alguém tinha de traduzir a tua entrevista fantastica para um publico português. :) Deu-me um trabalhão mas foi divertido, porque me imaginava a ouvir-te falar!

    quase 3 anos atrás · reportar como spam

Ler este artigo em outro idioma

A versão original deste artigo está escrito em:English. Isto também está disponível em:Français, Deutsch, ภาษาไทย & 한국어.