Você tem uma conta? Login | Você é novo na Lomography? Cadastre-se | Lab | Site atual:

Tutorial sobre como escanear corretamente: do equipamento à técnica

Todos nós, em algum momento, precisamos escanear nossas fotos. Este abrangente tutorial irá guiá-lo pelo processo de escaneamento - de scanners para todo tipo de orçamento até as alternativas ao escaneamento tradicional.

Todos nós amamos filmes, mas eu aposto que poucos de nós têm laboratórios de revelação. Você fotografa slides para mostrar aos seus amigos, na sua sala de estar, com um projetor arcaico? Duvido muito. Todos nós precisamos escanear nossas fotos por quaisquer motivos. Este é um guia completo de escaneamento. Vou falar sobre scanners compatíveis com qualquer orçamento e até sobre algumas alternativas ao processo de escaneamento tradicional.

Tipos de scanners

Quando se deseja investir em um scanner, há três categorias básicas para escolher. Cada qual tem suas vantagens e desvantagens. Como eu não gosto de fazer propaganda, vou falar dos scanners, nestas categorias, com os quais já trabalhei. Acho que você descobrirá que as câmeras e filmes que você usa mais a quatidade de escaneamento que você faz influenciarão no tipo de scanner a ser escolhido. Esta é uma foto escaneada e, como você pode ver, a cor e a nitidez estão ótimas.

Scanners de mesa

O scanner de mesa é o lanterninha do mundo do escaneamento. Geralmente é subestimado e negligenciado. O meu scanner de mesa é um Epson 4490. Ele tem uma luz na tampa e vem com dois porta-filmes diferentes. Existe uma variedade de scanners de diferentes marcas com estas características e são elas que tornam possível o escaneamento de filmes. Os scanners evoluíram muito nos últimos cinco anos. O Epson, originalmente, escaneia com 4800 dpi de resolução (que definirei depois), que é o padrão para a maioria dos scanners desse tipo. A maioria das impressoras trabalha melhor com cerca de 300 dpi, o que significa que um negativo de 35mm pode chegar a uma impressão de 53×35 cm. Aqui está a imagem anterior em tamanho real.

Vantagens

De acordo com a minha experiência, esse tipo de scanner tem a melhor relação custo/benefício. Ele pode escanear fotos e negativos para impressões de arte de alta qualidade sem complicações. No escaneamento de negativos de 35mm, é possível carregar duas tirar de negativos com 5 ou 6 frames de comprimento. Você pode visualizar todos os negativos fácil e rapidamente. A versatilidade desses scanners também é ótima. Os porta-negativos diferentes permitem escanear filmes de médio formato, além dos filmes de 35mm. O porta-filme utilizado pela Epson permite escanear até 6×12 cm, que é o tamanho da Holga pinhole wide angle e da Holga 3D. Alguns scanners também têm porta-filmes que permitem utilizar negativos de 4×5 ou até maiores. Quase todos os scanners desse tipo atuam também como scanners de documentos normais. Um bom scanner de mesa custa entre $100-200 dólares americanos. Abaixo está um negativo 6×12 cm da Holga pinhole wide angle escaneado com a minha Epson de mesa.

Desvantagens

A maior desvantagem dos scanners de mesa é o controle. Uma das luzes geralmente não é ajustável. Para fotos e negativos bem expostos, isto não chega a ser um problema. Mas, se você pretende salientar detalhes nas partes mais calaras ou escuras, talvez isto seja um problema. Se você está tentando corrigir erros de múltipla exposição, idem. Outro problema corriqueiro quando se utiliza scanners de mesa é o aparecimento de Anéis de Newton. São marcas em formato oval, com cores do arco-íris, que aparecem quando o negativo entra em contato com a superfície de vidro do scanner. Eu vou falar mais sobre a correção deste problema depois. Na imagem abaixo, eu dei um close em alguns Anéis de Newton para mostrar como eles são.

Film Scanners

Dedicated film scanners are the next step up in the hierarchy of analog to digital transfer. Sorry if that language sounded over-sophisticated, but these scanners are just that, sophisticated. The scanner in this category which I have experience with is the Nikon Coolscan IV. This scanner is pretty old, but the general principles still apply. These scanners typically produce a higher resolution image by actually performing a focusing process with a lens. Most film scanners have automated processes that allow for an entire strip to be scanned at one time. Generally they are powered with halogen lights that can be adjusted in intensity either by actually reducing the power or using automated filters within the scanner. This gives you a lot more control. Nikon scanners actually don’t use halogen lights, they use three LED lights, which won’t weaken in intensity over time. The three separate LEDs are three different colors allowing for even more control with color balance, saturation and other adjustments. The following image was scanned with the Coolscan IV.

Vantagens

Esses scanners são precisos. Eles oferecem ao usuário total controle sobre cor e exposição no processo de escaneamento. O mecanismo de carregamento e a ausência de uma placa de vidro acabam com qualquer problema relativo a negativos curvados. Logicamente, scanners de mesa não foram feitos para escanear filmes; scanners de filme sim, portanto, eles fazem um trabalho muito melhor. Não é preciso dizer que a qualidade do escaneamento de um scanner de filme é muito melhor do que aquele de um sacnner de mesa.

Desvantagens

O principal problema dos scanners de filme é que eles são complicadinhos. Scanners de mesa são muito mais simples de usar. Apesar de o software utilizado pelos scanners de filme estar muito melhor do que costumavam ser, é bom dar uma lida a respeito antes de começar a escanear. É importante saber como utilizar escalas e curvas para ajustar cor e exposição. Outro problema é que a maioria dos scanners de filme são feitos para filmes de 35mm. Um scanner de filme para médio formato custa caro. É possível encontrar scanners de filme 35mm a partir de $200 dólares americanos.

Scanners de tambor

Não vou me estender falando sobre scanners de tambor porque, francamente, eles são ridiculamente caros. Scanners de tambor utilizam-se de um laser e de um tubo fotomultiplicador para produzir imagens de resolução estupidamente alta e com ótima qualidade. O tubo fotomultiplicador é muito mais sensível que os chips CCD usados nos scanners mencionados anteriormente. Esses scanners acoplam sua foto ao tubo com um líquido. É um método bastante intenso. Se você dispões de dinheiro para gastar, você pode enviar suas fotos para algum laboratório e tê-las escaneadas por tambor. O custo de um ÚNICO frame de 35mm varia entre $20-$30 dólares americanos; $40-50 por um negativo de médio formato 6×6 e acima de $100 por um negativo 6×12.

Resolução e faixa dinâmica

responsáveis pelas diferenças mais visíveis ao usuário. Eu vou desmembrar estes termos e explicá-los de acordo com seus significados no processo de escaneamento. MAS, ates, vou introduzir esta seção dizendo algumas coisinhas: 1) scanners mais modernos têm resolução mais do que suficiente e uma faixa dinâmica satisfaória; 2) os preços dos scanners são bastante justos, então, se tudo der errado, lembre-se do velho ditado: “o barato sai caro”.

Resolução

Resolução é algo que todos que já ouviram falar em câmeras digitais sabem o que é. Provavelmente, a resolução estará evidenciada na caixa do scanner. Como eu disse, a maioria dos scanners no mercado atualmente tem uma resolução mais do que suficiente. Isto posto, qualquer resolução acima de 3000 dpi é suficiente. Tenha cuidado, pois muitos scanners tentarão enganá-lo com o processo de interpolação. A interpolação acontece quando o scanner decide a quantidade de pixels que uma imagem deve ter; ele inventa pixels que, na verdade, não existem, então basta ignorar. Na imagem abaixo você verá um corte em tamanho real de uma foto tirada com filme de médio formato. Com a Epson 4490, na resolução original, um negativo de 6×6 cm pode ser escaneado para produzir uma imagem com mais de 10,000 pixels de largura.

Faixa dinâmica

A faixa dinâmica corresponde à quantidade de detalhes que o scanner é capaz de extrair das partes mais claras e/ou escuras da foto. Uma das maiores razões para fotografar com filmes é o fato de terem uma faixa dinâmica (ou latitude, na linguagem dos filmes) muito maior do que as fotos digitais. Sabe aquelas imagens HDR (com alto alcance dinâmico)? Fotografe um filme preto e branco, faça um bom trabalho de escaneamento e suas fotos terão a mesma aparência, porque filmes PB têm uma faixa dinâmica enorme. Certamente você quer aproveitar esses detalhes no processo de escaneamento. A faixa dinâmica é medida em uma escala de 0-4, geralmente conhecida como Dmax. Você vai querer um scanner com Dmax de, pelo menos, 3. Como você pode ver na imagem a seguir, os detalhes do gramado iluminado estão visíveis. O que talvez não seria possível com um scanner de mesa.

Software de escaneamento

O software utilizado para escanear é quase tão importante quanto o scanner, propriamente dito. O interessante sobre o software de escaneamento é que, geralmente, é possível adquirir um segundo software, melhor do que aquele que vem com o scanner. Nikon e Canon usam seus próprios softwares e ambos são ótimos. O software da Epson também é bom. VueScan e SilverFast são exemplos de softwares para scanners. Ambos são altamente customizáveis, o que significa que você pode ajustar o scanner para fazer coisas facilmente usando auto exposição, ou você pode utilizar ferramentas avançadas para ter maior controle.

Como escanear corretamente

Escanear uma foto corretamente é mais ou menos como usar uma câmera digital e mais ou menos como usar a primeira versão do Photoshop. Lembre-se de que seu scanner é, basicamente, uma câmera digital especializada. Se você estiver trabalhando com uma exposição complicada, é melhor fazer uma exposição insuficiente do que superexpor. A maior parte dos softwares de escaneamento tem algum tipo de controle que permite ajustar escalas, curvas e balanço de cor. Trate estas ferramentas mais como um martelo do que como um pincel. Eles servem para maiores ajustes e não para sintonizar detalhes. Não sature muito suas imagens no software de escaneamento. Por exemplo, quando for ajustar as partes mais claras na paleta de escalas, busque uma aparência mais próxima da realidade e largue de mão. Não tente salientar muitas informações. Quanto mais você fizer com o seu software de escaneamento, menos você poderá fazer com o seu software de edição.

Escaneamento de pouco contraste

Quando você está utilizando o software de escaneamento, você quer que a sua imagem tenha um pouco menos de contraste. Mais uma vez, deixe para ajustar detalhes no Photoshop ou algum outro tipo de software dedicado à edição de imagens. Fotos com pouco contraste têm mais informações do que aquelas de muito contraste. Tenha certeza de apenas escanear objetos fisicamente planos. Negativos ou tiras de filme ondulados são mais difíceis de escanear. Scannes de filme resolvem este problemas, mas scanners de mesa acabam resultando em imagens com Anéis de Newton. Para ajudar a resolver este problemas, existem superfícies de vidro especiais que podem entrar em contato com os negativos sem causar o efeito dos anéis.

Maior qualidade

Sempre – SEMPRE – escaneie na maior qualidade possível, sem perder a naturalidade da imagem. Não vá direto às resoluções interpoladas, mas busque usar o máximo de resolução normal e a maior profundidade de bits. A maioria dos scanners usa 24 ou 48 bits para informações de cor. Alguns sites dirão que uma maior profundidade de bits permitirá uma faixa dinâmica maior, outros dirão que profundidade de bits é pura enganação. Profundidade de bits representam quão especificamente o scanner pode definir um pixel de cor. Basicamente, scanners antigos, de poucos bits, talvez reconheçam 200 tons de vermelho em um pixel, enquanto novos scanners são capazes de reconhecer 4000 tons de vermelho em um pixel. Portanto, quanto maior a profundidade de bits, mais específicas são as cores.

Bombas de ar

Quando comprar um scanner, compre uma bomba de ar. Embora alguns scanners tenham a tecnologia DIGITAL ICE – que se utiliza de diferentes meios eletrônicos para remover poeira dos negativos -, é melhor removê-la antes de qualquer coisa. Eu tenho uma Rocket-Air Blower, da Giottos, ela tem um bulbo que você aperta e dispara ar através de um bico. Se não quiser, você também pode estocar aquelas latas de ar comprimido usadas para limpar aparelhos eletrônicos . As bombas de ar podem ser aproveitadas para limpar teclados, sensores de câmeras digitais e todo tipo de filme, dessa forma, o investimento valerá a pena.

Alternativas de escaneamento

Talvez você não tenha um dinheirinho extra dando mole, ou talvez você goste de experimentar coisas novas. Existem algumas formas interessantes de transpor suas imagens para o computador sem precisar de um maquinário novo. Duas delas necessitam de uma câmera digital e a última, de um scanner de mesa normal. Todas três formas podem surtir resultados interessantes.

O Close Up

Eu tenho um SLR digital, alguns filtros macro e uma caixa de luz, então esta técnica é muito simpes para mim. Você vai, simplesmente, fotografar a foto ou o negativo. Na minha opinião, esta técnica funciona melhor com fotos e negativos PB, pois negativos coloridos não invertem tão bem em softwares de edição. É muito importante que o filme esteja plano e que ele esteja em foco no momento de fotografá-lo. Eu sugiro que se utilize um tripé e que a luz por detrás do filme também esteja bem equilibrada. A imagem abaixo foi fotografada em uma caixa de luz. As cores e o contrate estão um pouco berrantes, mas a intenção não era fazer uma imagem para a rede. Se eu fosse imprimi-la em um tamanho maior do que 4×6, provavemente teria alguns problemas.

Projetor de slide

Esta técnica também consiste em tirar uma foto da foto. Tire do armário aquele velho projetor de slides e projete as imagens em uma parede lisa e, preferivelmente, branca. Cooque sua câmera em um tripé e comece a fotografar. Certifique-se de que o projetor está em uma superfície reta. Talvez seja uma boa colocar alguns livros sobre o aparelho para minimizar qualquer tremor causado pela ventoinha. Para dar um toque artístico, projete a imagem sobre uma parede – ou porta – com textura, como uma parede de tijolos, por exemplo. A imagem abaixo é a fotografia de uma projeção. Mais uma vez as cores e o contraste não estão perfeitos, mas a imagem está bem nítida.

Escaneamento com scanner de mesa normal

Se você tem um scanner de mesa normal, você pode escanear seus filmes com ele. O resultado nem sempre será bonitinho, mas certamente será interessante. Esta técnica faz com que as imagens pareçam antigas e deterioradas. O foco nunca está certinho; o filme desvia a luz a direções estranhas, criando brilhos e borrões. A imagem abaixo é um negativo colorido, escaneado com um scanner de mesa normal e invertido com o Photoshop. Negativos coloridos são os que sofrem maiores modificações com esta técnica.

Resumo

Escanear não tem que ser caro nem intimidador. Um scanner novinho em folha pode ser acessível financeiramente e, se você usa tanto filme quanto eu, a economia a longo prazo acaba pagando o investimento. Eu espero que este guia seja útil para suas conversões do analógico para o digital. Boa sorte!

Este guia foi feito por Cameron Knight, um fotojornalista da CityBeat, em Cincinnati, Ohio.

Se quiser saber mais, leia sua entrevista à seção LomoAmigo interview ou dê uma passada em seu blog de fotojornalismo

escrito por lee07

4 comentários

  1. lelesk

    lelesk

    Estava procurando sobre scaners ontem! muito bom!
    quase 4 anos atrás · reportar como spam
  2. marecori

    marecori

    Muito bom, escaneei alguns filmes no meu scaner comum de mesa e alguns resultados sairam bem interessantes.

    quase 4 anos atrás · reportar como spam
  3. marecori

    marecori

    Muito bom, escaneei alguns filmes no meu scaner comum de mesa e alguns resultados sairam bem interessantes.

    quase 4 anos atrás · reportar como spam
  4. fabioduarte77

    fabioduarte77

    meu scaner de mesa hp 4050 é ótimo.

    quase 3 anos atrás · reportar como spam